4 de julho de 2011

Redes sociais, os novos partidos

Qual a utilidade de um partido?

Difícil responder, não é? Mas e se a questão fosse outra, como, por exemplo:

Qual a futilidade de um partido?
Muito fácil! E não é apenas 1, são várias as futilidades que podemos elencar.

Pois é! E ainda querem criar mais. Pra quê mais habitat para as traças e rapinas? Digo isso porque, nos moldes atuais em que se encontram os partidos políticos, não há nenhum, dos 27 existentes no país - 29 com o do Kassab e o da Marina Silva, em breve - que honrem o verdadeiro valor e significado originais de uma organização ideológica que luta em prol de uma causa social e respeite a voz popular.

Atualmente, existem dois grupos interssados pelas facções: os retrógrados, - e por quê não dizer, os ingênuos - que acreditam ser possível transformar o Brasil, de fato, ao ingressar num partido; e o dos aproveitadores, espertalhões e corruptos, que encontram nos amontoados políticos, os grupos mafiosos legalmente formados, para sugar o sangue dos contribuintes, ludibriando-nos com as famosas firulas promessaloides a cada eleição.

Veja o que Tarso Genro, PT, governador do Rio Grande do Sul, disse em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, no último domingo:

"[...]a sociedade civil, com seus meios diretos de articulação, sem a mediação dos partidos, está em conflito com a sociedade política realmente existente. E o Parlamento, em regra, não tem vínculos com a opinião e com as necessidades dos novos grupos e movimentos sociais que montam as redes sociais, que não se identificam com o jogo político da representação democrática tradicional."

Quem vem cumprindo com a agenda e se mostra bem útil, atendendo as nossas demandas é o contato, a organização via internet. Então, pra quê mais partidos? A sociedade vem sinalizando que modos arcaicos de representanção política já não funcionam mais para a manutenção democrática.

Não há democracia nem dentro dos mofados partidos. Peguemos o exemplo do Partido Verde que, praticamente, pressionou a desfiliação de Marina Silva, a única ex-presidenciável que, verdadeiramente, saiu vitoriosa da campanha. José Luiz Penna, ditador nacional do PV, não acatou às sugestões da militância por mudanças - necessárias - no partido. Clique aqui e confira. Perde a democracia!

Marina sai quinta-feira, dia 07 de julho e estará livre para decolar e promete dialogar com a sociedade. Será muito bem-vinda, porque é isso que queremos: bate papo, aproximação, mudanças, um novo jeito de se fazer política. Esperemos que Marina Silva construa, a partir de quinta-feira, uma política a partir do debate com o povo brasileiro e que inclua o pluralismo como valor central.

O grande partido é a internet, está na internet. É necessário que se leve em consideração o que o espertalhão do ex-presidente Lula disse, certa vez: "É importante sair da mídia tradicional [...] e falar diretamente com o povo."

Temos de nos atentarmos aos atuais partidos, àqueles que funcionam de verdade e são modernos e eficientes: as redes sociais! Elas são um meio importante de convocação da população e de articulação com grupos nacionais e internacionais; são uma marca desse nosso tempo e mostram que é possível ter manifestação política à margem dos partidos e sindicatos.

Basta gritarmos, cutucarmos uma multidão, apenas com um clique, cobrando, reclamando e agendando as nossas próximas manifestações.

--
Só para lembrar, já assinou o feeds?

Ae, agora sim 9 comentários...

Andre Mansim disse...

É Fernandão, mas a gente fez uma campanha fudida contra a Dilma na internet e mesmo assim não teve jeito...

Ei, vc tá m uito preguiçosão hein... Faz uma postagem por mês!!!!!!!


Passa lá no meu blog.

Adilson Guimarães disse...

É Fernando, infelizmente apesar de toda a força que a internet tem e ganha a cada dia, com a visibilidade dessa rede, desse novo meio os partidos e modelos de militancias tradicionais, conservadoras e arcaicas prevalecem. O povo do Brasil foi condicionado a isso até então, mesmo com a possibilidade não preocupam-se em criar e fundamentar as próprias ideias, preferem mobilizar-se por uma ideologia já pronta e bem montada afim de dizer que faz parte de um grupo qualquer, é aquela velha máxima sociológica que diz que o homem é um ser social né? Necessita estar inserido em um grupo, etecetera. Esperamos que dessa geração de internautas proativos se é que isso já existe, mude tal concepção e façamos um Brasil cada vez mais livre e democrádito não somente no discurso, mas sim na possibilidade de pensamento, ideias e afins.

Parabéns cara, o blog continua ótimo. Grande abraço Parceiro.


Adilson Guimarães

Adilson Guimarães disse...

É Fernando, infelizmente apesar de toda a força que a internet tem e ganha a cada dia, com a visibilidade dessa rede, desse novo meio os partidos e modelos de militancias tradicionais, conservadoras e arcaicas prevalecem. O povo do Brasil foi condicionado a isso até então, mesmo com a possibilidade não preocupam-se em criar e fundamentar as próprias ideias, preferem mobilizar-se por uma ideologia já pronta e bem montada afim de dizer que faz parte de um grupo qualquer, é aquela velha máxima sociológica que diz que o homem é um ser social né? Necessita estar inserido em um grupo, etecetera. Esperamos que dessa geração de internautas proativos se é que isso já existe, mude tal concepção e façamos um Brasil cada vez mais livre e democrádito não somente no discurso, mas sim na possibilidade de pensamento, ideias e afins.

Parabéns cara, o blog continua ótimo. Grande abraço Parceiro.


Adilson Guimarães

Fernando disse...

Olá, meus amigos aliados!

Muito obrigado pelos comentários, viu!?

Ah! André, não é preguicite aguda, não. É porque estou TCCENDO e quase sem tempo de postar. Mas já está acabando, graças a Deus!

Promete me dedicar com mais afinco ao Seu Anônimo.

Abração,

tammy diktiva disse...

Realmente as redes sociais podem ajudar muito a divulgar e expressar o que realmente é útil apesar de que a grande maioria só as usam pra futilidades. E democracia? Aonde? Já se perdeu entre tantas mentiras

Macaco Pipi disse...

acho que agora a briga para entre FB e G+....e é isso!

Tati disse...

Estamos apenas começando a entender as mídias sociais como ferramenta política. A Dilma trouxe o marketeiro do Barack Obama para fazer a estratégia em mídia social aqui nas eleiçÕes considerando o sucesso que foi a eleição do Obama na web nos EUA, porém a repercursão aqui não foi tão boa, afinal, a população ainda não está acostumada com as ferramentas. A Marina deu um show, não levou, mas fez pensar... enfim, acredito que com o tempo iremos utilizar mais as mídias sociais em nosso favor.

Blog UaiMeu! disse...

Acredito que tudo seja marketing, saber usar essa ferramenta para um bem comum. E a política faz isso mto bem desde o Obama a presidentA.
Fazer o que?
Vai lá no nosso blog!
Abraços
http://uaimeu10.blogspot.com/

Conteúdo Filosófico, por Andinho Yankee disse...

Dói o coração falar de política no Brasil. Realmente eu acho uma palhaçada esse descontrole sem limites da criação de partidos. o que vemos realmente é como você citou, grupos que tem em mente somente roubar e nem sequer colocam como pano de fundo uma ideologiazinha pra disfarçar. É roubo descarado mesmo.
Quanto àqueles que entram para tentar, utopicamente, mudar alguma coisa acabam corrompendo-se no meio do caminho e entra pro time dos ladrões.
Enfim, pra mim são vários partidos que fazem parte de um só, o dos ladroões, uns mais formais e outros mais chulos mesmo. mas enfim né, FUDEU!

PARABÉNS PELO POST.

andersonyankee.wordpress.com
@andinhoyankee

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger.

  ©Modificações by Felipe.

TOPO  

BlogBlogs.Com.Br